terça-feira, 25 de novembro de 2014

Corporate Venture e o Brasil

Por Eduardo Solamone in LinkedinCorporate Lawyer

O conceito por trás do Corporate Venture tem raízes no venture capital, em que empresas nascentes são financiadas por investidores, geralmente fundos de capital de risco. No Corporate Venture, a diferença é que as próprias companhias financiam outros empreendedores.
No exterior, o Corporate Venture é amplamente difundido. Companhias do porte de Microsoft, Google, Samsung, Citibank, além da recém-listada em bolsa Alibaba, financiam empresas menores que tenham sinergias com seus negócios ou potencial de mudar a forma como produtos e serviços são pensados e desenvolvidos. Já no Brasil, empresas como Totvus, Natura e Embraer já realizam projetos semelhantes.
Nesse passo, tendo em vista a necessidade da empresa investida manter sua autonomia para desenvolvimento de suas atividades, bem como resguardar os interesses do investidor, faz-se mandatório alinhar as partes e os diálogos, além de oferecer instrumentos jurídicos capazes de satisfazer seus objetivos.

Sendo assim, qual seria a melhor maneira de equilibrar estas posições em um Acordo de Acionistas?

Fica a reflexão.