sábado, 28 de novembro de 2015

O valor do empreendedorismo corporativo

Por:


Na semana passada, Jack Dorsey, cofundador e CEO do Twitter, doou 1/3 de suas ações para serem distribuídas aos funcionários da empresa.

A iniciativa, que, na prática, transforma os funcionários em sócios da companhia, tem sido comum no setor de tecnologia e incentiva o empreendedorismo -- um valor fundamental para grupos que têm na capacidade de se reinventar sua condição essencial de sucesso.

Recentemente, em uma entrevista às Páginas Amarelas da “Veja”, o economista americano Edmund Phelps, ganhador do Nobel de Economia em 2006, afirmou que as empresas de setores mais tradicionais estão ficando preguiçosas e defendendo suas participações no mercado com patentes, lobby e afins.

Isso, ressaltou Phelps, gera uma forte desacelaração da produtividade e, por consequência, mais desemprego, salários mais baixos e menor satisfação das pessoas com o trabalho.

Acredito que a iniciativa de doar ações a funcionários observada predominantemente em empresas de tecnologia tenha uma correlação com a dinâmica de transformação do mercado em que essas companhias estão inseridas.

É óbvio dizer que empregados que também são sócios se tornam mais engajados e que isso é fundamental em um ambiente tão competitivo por talento. Mas não acredito que esse seja o único benefício.

Ao transformar funcionários em sócios, cria-se um ambiente mais propício ao empreendedorismo dentro das corporações. E, na indústria de tecnologia, em que novas ideias podem ser fomentadas com poucos recursos, é essencial incentivar o empreendedorismo também nas grandes companhias, para que elas possam competir com as novas empresas que nascem dessas novas ideias.

Por outro lado, a iniciativa de converter funcionários em donos cria um maior alinhamento dos incentivos concedidos dentro das empresas. E, para as lideranças, representa a grande oportunidade de estabelecer conversas mais realistas com seus times.

Transformar funcionários em donos os torna mais responsáveis não somente para apontar os desafios, mas também para trazer soluções à mesa de discussão.

Outro benefício é o incentivo a ambientes de maior transparência das lideranças com suas equipes. Criar e cultivar essa transparência é outro fator importante de produtividade. Diversas pesquisas mostram a relevância da transparência no ambiente de trabalho -- principalmente para as gerações de profissionais mais jovens, tão essenciais à evolução e à renovação da estratégia das empresas de tecnologia.

Nesse setor, em que o grau de competitividade é garantido pela retenção dos talentos, é também essencial gerar um "network effect" que possa nutrir o empreendedorismo, as relações realistas e construtivas entre gestores e seus times e, finalmente, a transparência. Transformar funcionários em sócios é parte fundamental dessa estratégia.

No final das contas, como Tweetou Jack Dorsey quando anunciava à empresa e ao mundo sua decisão: "A empresa pertence a vocês (funcionários) e prefiro ser dono de um percentual menor de algo grande do que grande de algo menor."


FONTE: https://www.linkedin.com/pulse/o-valor-do-empreendedorismo-corporativo-guilherme-ribenboim